quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

já lá vão 5 anos



sempre quis aprender. tinha os meus 7, 8 anos e comecei a fazer os primeiros acordes na viola do meu padrinho. só que, por razões que não vale a pena referir (não vale mesmo, lol), tudo acabou por se desmoronar. 
até que a oportunidade de voltar a sentir as cordas voltou quando andava no 6º ano. janeiro de 2006. alguém me disse que x pessoa estava a dar aulas de guitarra e, por acaso, essa pessoa até era o meu vizinho do lado. ora nada me deixou mais excitada. e aqui começou mais um desfio. 1º lá menor, depois mi menor. lá maior e ré maior. dó e sol. ré menor e mi menor. dedilhados, passagens, sétimas, nonas, sextas, travessões, sustenidos, bemóis. um vício que me deixava horas e horas agarrada ao objecto de madeira que ganhei num concurso na escola, precisamente a tocar flauta (odeio flauta!). os meses passavam, e nem o frio da casa da cultura fazia com que desistisse! os dedos a doer de tanto tocar ao frio, os calos a formar-se, o silêncio para afinar a guitarra. 
1 maio de 2006, feriado, toquei uma música num mini-concerto em vila real. agarrada às cordas da yamaha, olhos fixos num ponto, sorriso nos lábios, microfone à frente e ali estava eu, que mini music star! 
os meses passaram e lá veio mais um mini concerto, em cheires, e outro ainda, nos bombeiros, aqui, em alijó. mas o melhor de todos estava pra vir! auditório municipal, dia 9 de março de 2007. dueto com a irmã em 
"não sou o único". última a actuar (viola+canto). 1.ª música: restolho, mafalda veiga. 2.ª música: rosa brava, tonicha. 3.ª múscia: o velho, mafalda veiga ("que dedico à minha prima ana!" eheheh). a alegria de estar em cima do placo, o à vontade com o público, o momento embaraçoso em que o prof. afonso grita "olha, é a inês!", ensaios nos backstages, o nervoso miudinho. isto para não falar que já não tocava com a yamaha do professor, mas sim com a minha guitarra semi-acústica, azul e preta, liiinda de morrer! o concerto acabou. muitos beijinhos, abraços e obrigadas! momentos inesquecíveis que jamais irei esquecer.
hoje, continuo a tocar para mim, quando estou triste, alegre ou simplesmente quando me apetece. para a minha família... pouco, mas quando me pedem é com todo o gosto.
a alegria de ouvir uma múscia nova e pensar "tenho que ir tirar a cifra" e, depois disto, toca-la e pensar "fogo, pareço mesmo a roberta flack!" ou o bryan adams, ou o rod stewart, ou o bruno mars, ou a linda perry. ou muitos outros que não vou referir. sim, porque o repotório já vai grande, e vai continuar a crescer!
isto para dizer que, aquela menina de 7 anos que tocou o lá menor pela 1ª vez na viola do padrinho, tem hoje, 17, e mais um sonho realizado!
pois das coisas que me dá mais prazer é ouvir música. mas acreditem que fazer música, apreciar o nosso trabalho dá muito mais gozo e é muito mais gratificante! enjoy it!


 my guitar!

Sem comentários: