segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

O suicídio que chocou aqui a terrinha

Bem, eu nem sei se devo contar isto aqui, mas queria muito partilhar convosco algo que aconteceu ontem aqui numa aldeia, perto da minha terrinha, e que me deixou completamente perplexa.
Ao que parece, uma mulher, ontem, num estado de loucura total, suicidou-se. Mas o pior não é ter-se suicidado, mas sim a forma macabra e chocante como se suicidou: fez uma lareira à porta de casa, regou-se com gasolina (uns dizem até que se embrulhou em plástico) e mandou-se para a fogueira. Sim, isso mesmo. Caiu-vos o queixo? Imaginem a mim.
Mais uma vez, não foi nos Estados Unidos, na Rússia ou no Japão... Foi aqui, a poucos quilómetros de minha casa.
Agora saber o que a levou a fazer isto? Só ela sabia. E só ela o planeou minuciosamente, pois uma coisa destas tem que ser pensada antes de ser feita. E é precisamente isto que me faz confusão. Se se queria matar, porque não dar um tiro na cabeça? Porque não mandar-se da ponte a baixo? Seria o estado de loucura assim tão grande para se sujeitar a uma morte tão dolorosa e tão lenta? É que além da dor que sentiu no corpo, a dor do arrependimento deve ter sido ainda maior, pois tempo teve ela de se arrepender.
No fim disto tudo, ficam os que viram e ouviram para contar a história. E assim parte mais uma inocente vítima de um distúrbio psicológico, e dos graves. 
Por isso é que eu digo e sempre direi: no mesmo patamar do cancro, encontram-se as doenças do foro psicológico. Estas sim, são as piores doenças que qualquer ser humano se pode sujeitar. E é por isso que faço de tudo para andar sempre alegre e sem stresses com nada, pois nunca sabemos ao estado emocional e psicológico a que podemos chegar. 
E que estejamos todos livres destes males.

2 comentários:

C. disse...

Também fiquei mesmo chocada quando soube. Ao que a loucura das pessoas chega!

L.O.L. disse...

Dramático. :(