segunda-feira, 14 de maio de 2012

Outra vez sobre o Memorial do Convento

Se ontem disse que não tinha vontade nenhuma de ler o livro, hoje ganhei essa coragem e comecei a ler o capítulo 10 sobre o qual tenho que fazer um trabalho. Apesar de ter sido difícil habituar-me à escrita sem pontuação e encontrar o "ritmo" certo para conseguir perceber uma frase (que constitui um parágrafo, lol), até que nem desgostei da história. Este capítulo divide-se em duas partes, uma a falar do casal Baltasar e Blimunda, outra a falar do casal real D. João V e D. Maria Ana. Mostrou um pouco os dois lados, quer a nível social e quotidiano, quer a nível amoroso entre os dois casais.
Tenho ideia que a história gira à volta disto e é também um tributo a todos aqueles que contribuíram na construção do convento de Mafra (que já visitei e que me deslumbrou pela história, dimensão e magia). Por enquanto vou-me deixar ficar por este capítulo e focar-me nele para fazer o trabalho. Mas quem sabe se com o passar das aulas e a aquisição de mais conhecimento sobre a obra não comece a nutrir real interesse em lê-la na íntegra.
É desta que me vou surpreender. E era tão bom que isso acontecesse...

Convento de Mafra

8 comentários:

AnaM disse...

A história de Baltasar e Blimunda é engraçada, também tive de fazer um trabalho sobre eles e a construção da passarola ((:

Suspiros disse...

Maias , como eu amei os Maias!
Os últimos capítulos do Memorial são os melhores :)

Good Luck *
M.

Inês disse...

@AnaM: Eu ainda não tenho muita noção do casal, porque só ainda tive uma aula de Memorial e só ainda li este capítulo. Em relação à Passarola, só sei que tem a ver com o padre maluco que queria voar :D.

@M.:Estás a ser irónica em relação aos Maias ou estás mesmo a falar a sério? :P. Em relação ao Memorial... Deixaste-me curiosa. É desta que leio um livro com nº de págs. > 150! AHAHAH

Suspiros disse...

Estou a falar a sério ! Gostei muito do enredo do Maias :)

Quanto ao Memorial: no princípio não gostei muito mas depois começas a ler e torna-se interessante. Existem alguns momentos nos diferentes planos da obra bastante interessantes !

Nunca leste um livro com mais de 150 páginas? :o

M.

Inês disse...

@M.: Não sei ao certo quantas páginas tinha o livro maior que li, mas tinha mais que 150. Apenas foi um exagero para dizer que leio muito pouco e nunca me dei ao trabalho de ler um livro muito grande. As quase 400 págs do Memorial estão a tornar-se num bicho de 7 cabeças para mim! Não estou habituada nem gosto de ler, infelizmente.

Suspiros disse...

Compreendo-te. Comigo passou-se o mesmo. Mas o que tem que ser tem muita força. Comecei a ler e impus a mim mesma que ia ler até ao fim. Assim foi, fiquei satisfeita.

M.

Filipe disse...

Vamos os dois juntos embarcar nesta "aventura" eheh. O pior é que o livro tem as letras bué pequenas e parece bastante massudo! Vamos lá ver... xD

Anónimo disse...

Ler Saramago é preciso ter alguma paciência. Eu quando comecei a ler o memorial do convento, li-o em voz alto e depois habituei-me. Se tiveres a capacidade de ler, e na tua cabeça, imaginares, exelente!
A história tem uma linda lição de vida. Que o sonho é que comanda a vida. Vai por mim, vais adorar! Está coberta de ironias e é um retrato claro dos dias de hoje :)