quinta-feira, 14 de junho de 2012

Injustiça e frustração- Porquê eu?

No início do ano, tracei objectivos, defini metas e coloquei a fasquia lá no alto. Durante o ano, trabalhei arduamente para cumprir com todas as promessas que fiz a mim mesma, surpreendi, surpreendi-me e provei mais que nunca o meu valor. No fim do ano, sorrio e respiro de alívio por ter a certeza que tudo foi cumprido. Até ao momento em que me deparo com a pauta e me vejo muito, mas muito mesmo, prejudicada em duas situações. Situações essas que impediram de realizar três dos mais importantes objectivos que defini: acabar com média de 18, passar a barreira do 14 a matemática e ter um 19 a uma disciplina "importante". E tudo por causa de injustiças, de quem menos esperava. Tudo devido à falta de palavra e à dualidade de critérios.No fim, tudo se ri. Mas há sempre alguém que chora. Esse alguém sou eu. Choro de frustração, de sentimento de injustiça e, sobretudo, pela questão constante no meu pensamento: Porquê eu?.

2 comentários:

Make It Happen disse...

Realmente não merecias ines.. Foste das pessoas que eu mais vi a trabalhar durante o ano, sempre bue empenhada em tudo!
não se compreende mesmo essa reação dos professores ..

B disse...

Um dia vão dar valor ao teu trabalho e vais te rir desses professores! Não desistas!

ps: adorei o teu blog, vou seguir!
http://lovecomesineverybite.blogspot.pt/