quinta-feira, 13 de junho de 2013

Prostituição

Desde que vim para o Porto que ouço falar das famosas p*tas do Marquês. E desde aí que tenho curiosidade por ver com os meus olhos esse mundo assustador da prostituição.
Ontem saí com dois amigos e quando me estavam a trazer a casa, como passamos numa rua paralela ao Marquês, eu pedi para me irem mostrar o que por lá se passa. Bem, antes nunca tivesse dito. Nunca tinha visto uma prostituta e ontem foi o dia em que vi, no mínimo, umas dez. Se calhar muitos de vocês já viram isto muitas vezes e acham algo normal. Eu não. Assim como me custou muito ver pessoas a dormir na rua quando vim para aqui, também ontem me custou ver as mulheres da vida, "despidas" nas esquinas do centro do Porto, à espera que algum cliente as levasse e pudesse assim fazer o seu trabalho, por mais nojento que seja. Ontem vim para casa com a imagem de muitas delas na minha cabeça. São muitas! A cada rua está lá uma. Uma ou um, vestido de mulher, que ainda me assusta mais. Confessei o meu medo ao meu amigo, que é de cá e, como tal, aquele cenário é normal para ele. Ele disse-me que não precisava de ter medo, porque à partida não me faziam mal. Mesmo assim, tendo um pouco esta consciência, não era capaz de passar numa rua sozinha com a presença de uma prostituta. Se calhar estou a ser preconceituosa, xenofóbica, whatever. Mas o olhar que elas lançam quando passa um carro, a postura delas, toda aquele imagem me assusta. Assusta-me muito! Não condeno, assim como não condeno uma pessoa que anda a pedir na rua para saciar a sede de uma dose de heroína. Porque simplesmente não conheço as razões que os levaram a fazer aquilo, a meter-se nos mundos obscuros da vida, mas sinceramente não consigo perceber. "Só não há solução para a morte"... E por mais escassas que sejam as soluções, não consigo perceber como é que o mundo da droga e da prostituição faz parte da lista de soluções de taaaanta gente!
Depois de abandonar o local e de finalmente poder olhar à volta e ver um bocado de luz, fez-se silêncio no carro. Silêncio esse que quebrei com uma frase: "- Que medo, que horror...". À qual obtive a melhor resposta de todas: "-Bem-vinda ao Porto, bem-vinda à cidade, bem-vinda à realidade."

1 comentário:

Ana disse...

Eu que sou do Porto só passei por um sítio desses uma vez e jurei que nunca mais! Fiquei com os mesmos pensamentos que tu. Não julgo essas pessoas mas custa-me ver. E se puder evitar passar por sítios assim, com certeza que o farei!
Beijinho*